quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Resenha: Cyclades





Este foi o primeiro boardgame que joguei com a galera do grupo Teresina Jogos de Mesa. E a primeira partida foi com a galera que mais tarde se juntaria a outros pra formar a Associação Boardgame Teresina: eu (Carlos), Renan, Luan, Diego e Samuel Carlos, na casa do Alex. Da minha parte, não foi uma partida digna de ser relembrada, mas saí de lá com a certeza que teria esse jogo na minha coleção.

Cyclades é um jogo dinâmico, onde escolher a hora certa de construir um exército ou um navio, ou ainda ganhar um filósofo, pode significar a vitória. Para vencer, basta ter duas metrópoles. Falando assim não parece complicado. Até daria a entender que uma partida de Cyclades é rápida. Mas numa mesa com jogadores experientes (ou com o Alfredo e o Renan), a partida pode durar até umas 3 horas.

Mesmo que chegue a isso tudo, a diversão proporcionada pelo jogo faz o tempo passar rápido. Não existe monotonia. O tempo de espera pode ser relativamente curto, e mesmo na vez dos outros jogadores, você deve ficar atento. A qualquer momento uma carta de criatura pode afetar o seu destino.

Vamos entender como funciona o jogo?

O tabuleiro representa o arquipélago grego de Cyclades, e cada jogador já começa com uma unidade militar em duas ilhas diferentes, e dois navios adjacentes. As cartas de criatura são reveladas no início de cada rodada, e podem ser compradas por qualquer jogador, com exceção do que ficar com o deus Apolo.

Os jogadores também começam o jogo com cinco moedas, e a cada rodada ganham moedas de acordo com os marcadores de prosperidade que possuam. Algumas ilhas já possuem um símbolo destes marcadores impresso. O jogador também ganha marcadores adicionais ao escolher o deus Apolo.

Após revelar a carta de criatura da vez, os deuses são sorteados para o leilão, de forma que a cada rodada eles apareçam em ordem variada. Os deuses são: Zeus, Atena, Ares e Poseidon. A mecânica do leilão consiste em dar uma oferta ao deus de sua preferência para receber o favor deste deus. Caso um jogador cubra seu lance, você deve procurar outro deus para dar sua oferta, inclusive cobrindo lances de outros jogadores. Só não pode permanecer no mesmo deus.

Após o leilão ser resolvido e cada jogador estiver em um deus diferente (Apolo pode ter mais de um jogador), vem a fase de ação, onde os deuses vão dar direito ao jogador executar uma ação específica.

Atena dá ao jogador uma carta de filósofo. O jogador pode ainda, por 4 moedas, comprar mais um filósofo, obtendo assim dois em uma mesma rodada. E por mais duas moedas, pode construir uma universidade em uma de suas ilhas. Ao comprar o quarto filósofo, o jogador troca os quatro por uma metrópole.

Ares dá ao jogador uma unidade militar. O jogador pode comprar ainda mais três unidades militares, pagando o preço correspondente. E pode construir um forte, pagando duas moedas, em uma de suas ilhas. O forte aumenta o poder de defesa da ilha, caso aconteça uma batalha no local. Com Ares, o jogador pode ainda pagar uma moeda para mover suas unidades militares de uma ilha à outra, desde que possua navios ligando ambas.

Poseidon dá um navio ao jogador, que também pode obter mais três navios pagando o respectivo preço. É possível construir um porto, que aumenta o poder de defesa da ilha em combates navais que aconteçam em espaços adjacentes. Pagando uma moeda, o jogador também pode mover um ou mais navios.

E finalmente, Zeus, que dá ao jogador uma carta de sacerdote. Pagando 4 moedas o jogador tem direito a adquirir um segundo sacerdote. Cada sacerdote dá o desconto de uma moeda ao jogador que o possuir na fase de leilão, sendo que o mínimo a ser pago sempre será de uma moeda. Com Zeus, o jogador também pode construir um templo, e para cada templo que possuir ele tem desconto na compra das cartas de criatura, também mantendo o mínimo de uma moeda. E por último, o jogador pode pagar uma moeda para descartar uma carta de criatura e revelar a seguinte. E pode fazer isso quantas vezes quiser na sua vez. Depende apenas de quantas moedas ele possuir.

Eu já ia esquecendo de Apolo. Ele é o último deus, e está fixo no tabuleiro. O jogador que escolher Apolo ganha uma moeda e um marcador de prosperidade, que deve ser colocado em alguma ilha sua. Estes marcadores aumentam os recursos recebidos pelo jogador no início de cada turno.

Repararam que cada deus permite comprar uma construção (universidade, forte, porto, templo)? Quando o jogador adquire quarta construção diferente, ele troca todas por uma metrópole, que mantém o benefício das construções originais.

O combate acontece quando uma tropa chega a uma ilha que já possui unidades de outro jogador. A força das tropas é somada, mais as criaturas (caso o jogador possua alguma) mais o forte, se houver algum na ilha, beneficiando o defensor. A este valor soma-se o valor de um dado jogado pelos dois combatentes. O dado vai de 0 a 3 e dá uma certa imprevisibilidade na batalha. Quem ganhar elimina uma unidade do inimigo, e os rounds vão se repetindo até que haja apenas um jogador com unidades. Em caso de empate, os dois jogadores perdem unidades. Batalhas no mar são semelhantes às batalhas em terra.

Viram só como o jogo, apesar de ter um critério de vitória aparentemente simples, não é tão simples assim de se ganhar? As possibilidades são muitas. Muitas vezes você quer o favor de um determinado deus, mas um jogador com mais recursos que você, ou com mais cartas de sacerdote (que dão descontos no leilão) toma o deus de sua preferência.

Outras vezes você simplesmente quer ser o primeiro jogador, e dá uma oferta elevada para ficar com o primeiro deus da lista, simplesmente para ter o direito de escolher as cartas de criatura antes dos outros. E elas fazem toda a diferença. Acreditem. Não dá pra ganhar o jogo sem utilizar as cartas de criatura. Na primeira vez que joguei eu as ignorei, e perdi feio. Aprender a usar as criaturas a seu favor é essencial neste jogo.

Enfim, Cyclades proporciona uma diversão movida a tretas e estratégias diferentes. Se você sair na frente, pode esperar pra ser atacado por todos, até que outro esteja em vantagem maior que a sua. Enquanto você tenta ganhar, tenta ao mesmo tempo atrapalhar os outros sem que isto te dê necessariamente vantagem nenhuma. Estes fatores fazem Cyclades ser um dos melhores jogos de batalha/confronto direto que há no mercado brasileiro.

Ainda não joguei com as expansões, mas dizem que a expansão Hades melhora o jogo exponencialmente. Preciso conhecer. De qualquer forma, mesmo sem a expansão, Cyclades ainda é um jogo que sempre estarei disposto a jogar. Diversão garantida.